Pages

Friday, August 15, 2008

To my beloved Lay...

“- [...]Que coisa linda é uma rosa!
Passando pelo sofá, aproximou-se da janela aberta e ergueu a haste de uma rosa de adorno e pôs-se a examinar a atraente mistura de vermelho e verde. Era uma nova faceta do seu temperamento, pois eu nunca o vira demonstrar qualquer interesse pela natureza.
- A dedução nunca é tão necessária como na religião – disse ele, recostando-se nas venezianas. – Pode ser transformada em ciência exata pela pessoa que raciocina. A mais elevada afirmação da bondade da Providência reside, para mim, nas flores. Tudo o mais, nossos talentos, desejos, alimentos, são necessários, em primeira instância, à nossa vida. Mas esta rosa é algo extra. Seu perfume e sua cor são um adorno da vida, não uma condição da existência. Somente a bondade da algo extra. Repito, portanto, que temos muito a esperar das flores.” - Sherlock Holmes


With love,

R.N.

3 comments:

layla said...

Beautiful!
Lembra, deveras, a mim ^^. Tudo que ele disse resumi o que sinto pelas flores e que a cada dia aumenta como o brado da minha mente pela sede do desconhecido mais do que conhecido ^^.
Não tenho palavras para agradecer o trecho do livro, irei anotar no meu caderno de trechos dos livros, onde se encontram todos os meus trechos prediletos. De topdos que já li esse foi, com certeza, o mais especial ^^, obrigada!

With Love,

Lay.

Sérgio said...

Indeed.

O verde e o vermelho são cores complementares. Bem dispostas, são agradáveis ao olhar. O que dizer delas acompanhadas do perfume de uma rosa?

[]´s.

Revin said...

^-^...